Seja bem-vindo
Paracatu,23/05/2024

  • A +
  • A -
Publicidade

“Porta de entrada para o submundo” na Sibéria cresce mais a cada ano

Dona de uma das camadas de gelo mais antigas do mundo, a cratera Batagay apresenta uma perda anual de gelo e sedimentos considerada alta por cientistas

Por Redação Galileu
“Porta de entrada para o submundo” na Sibéria cresce mais a cada ano A cratera de Batagay, considerada a “porta de entrada para o submundo” — Foto: Moscow State University

A gigantesca cratera Batagay na região da Sibéria, na Rússia, mais conhecida como “porta de entrada para o submundo”, cresce um milhão de metros cúbicos todos os anos conforme o solo congelado derrete por conta do aquecimento global. Publicada no periódico Geomorphology no dia 31 de março, mas somente divulgada na última segunda-feira (6), a pesquisa apresenta uma preocupante perspectiva diante do desgelo do permafrost (camada do subsolo da crosta terrestre que está permanentemente congelada).

A cratera, que foi inicialmente avistada em imagens de satélite em 1991, tem uma face arredondada de penhasco. Isso ocorreu após um deslizamento de terra ao norte de Yakutia, na Rússia. Esse desabamento expôs camadas de permafrost na encosta restante, que permanecem congeladas há até 650 mil anos. Esse é considerado o permafrost mais antigo da região siberiana e o segundo mais antigo do mundo.


De acordo com cálculos feitos pela equipe, a parede frontal da cratera, ou seja, sua face, está recuando a uma taxa de 12 metros por ano, ao mesmo tempo que a seção desabada da encosta está afundando. Devido às dimensões da depressão, que alcançava 990 metros de largura em 2023, a quantidade de gelo e sedimentos perdidos em Batagay foi considerada "excepcionalmente alta" pelos pesquisadores.


A partir de medições, imagens de satélite e dados de testes laboratoriais em amostras, foi possível mensurar pela primeira vez o volume do derretimento da camada de gelo. Estima-se que uma área equivalente a mais de 14 Grandes Pirâmides de Gizé – um dos maiores monumentos do mundo – tenha derretido desde o desabamento de terra. A taxa de derretimento manteve-se relativamente estável ao longo da última década, concentrando-se ao longo da borda oeste, sul e sudeste da cratera.

O desgelo do permafrost não é uma preocupação restrita à cratera. Esse é um cenário já observado em outras localidades nos polos, despertando a atenção de cientistas para o fenômeno. Em 31 de janeiro de 2022, um artigo publicado na revista Earth’s Future revelou que o derretimento dessas camadas pode possibilitar que o gás radônio, que é cancerígeno, chegue a superfície do Ártico, prejudicando as populações locais.


A recessão observada em Batagay, embora ainda esteja crescendo, tem um limite de expansão por conta da quantidade de permafrost remanescente na cratera. Segundo os pesquisadores, com apenas alguns metros de espessura, “a possibilidade de maior aprofundamento já foi praticamente esgotada devido à geologia rochosa subjacente”.




Buscar

Alterar Local

Anuncie Aqui

Escolha abaixo onde deseja anunciar.

Efetue o Login

Recuperar Senha

Baixe o Nosso Aplicativo!

Tenha todas as novidades na palma da sua mão.